quinta-feira, 19 de julho de 2012

[Janduís] Governo do Estado despeja projetos culturais, fecha casa de cultura e a escola de inclusão digital


Enquanto as políticas públicas de cultura realizadas pelo Município estão em pleno vapor em Janduís, com a elaboração do Plano Decenal de Cultural e a adesão ao Sistema Nacional de Cultura, o trabalho que deveria estar sendo feito pelo Governo do Estado, através da Casa de Cultura Popular Vapor das Artes, está paralisado.

Não bastasse a inoperância do Governo do Estado nesse setor, várias atividades desenvolvidas pela Fundação Municipal de Cultura, que, antes, funcionavam na Casa de Cultura Popular, estão paradas, em decorrência da falta de espaço para essas ações. 

 O fato é que, de acordo com o prefeito Salomão Gurgel, a governadora Rosalba Ciarlini, através da Fundação José Augusto, ordenou o despejo de três oficinas culturais que funcionavam na Casa, há mais de quatro anos. “Além do Governo do Estado não fazer absolutamente nada pela cultura em Janduís, ainda tenta impedir o trabalho que o Município vem desenvolvendo há vários anos”, lamentou Salomão Gurgel. 

Preocupado com essa questão, Salomão Gurgel deu entrada, na segunda-feira (09) numa Representação, junto ao Ministério Público do Rio Grande do Norte, contra o Governo do Estado/Fundação José Augusto, requerendo a adoção de medidas cabíveis, no sentido de se resolver os problemas vivenciados pela Casa de Cultura Popular “Vapor das Artes”. 

Um dos projetos prejudicados foi o da Banda de Música do ponto de Cultura Semearte. Contando com 25 alunos, os ensaios da Filarmônica 12 de Junho, hoje, são feitos na cozinha de uma residência, que a Prefeitura precisou alugar, mesmo em condições inadequadas. “Foi a forma que encontramos para garantir a continuidade do projeto”, relatou o prefeito. Já a oficina de informática do Ponto de Cultura Semearte, que capacitava, gratuitamente, os jovens janduienses também foi despejada. Os equipamentos sequer foram instalados em outro lugar, por falta de estrutura. 

Ou seja, todas as ações culturais que funcionavam na Casa foram despejadas e estão sem uma sede própria para suas atividades”, declarou Salomão. A atuação do Governo do Estado em Janduís é preocupante. A Escola de Inclusão Digital, pertencente ao Governo do Estado e administrada pela EMATER, está sem funcionar há mais de dois anos. 

A população também cobra a reabertura dessa escola digital, que é administrada pelo Estado”, contou. Os artistas que utilizavam a casa de cultura para estudos e ensaios, hoje, encontram as portas fechadas. As chaves da Casa de Cultura Popular Vapor das Artes estão em poder das agentes nomeadas pelo Governo do Estado, que, segundo denúncias feitas, não dão expediente. 

A Representação teve como anexos vários Ofícios do Prefeito Salomão Gurgel à Fundação José Augusto, solicitando firmar parceria para que a Casa possa cumprir sua função: desenvolver a política cultural do Município atendendo, assim, a grande demanda dos amantes da arte e da cultura de Janduís considerada o ‘Oásis Cultural do Sertão’. 

Também foram anexos fotografias e publicações em jornal. O Prefeito informou ao Ministério Público que todas essas programações são frutos de convênios celebrados com os Ministérios da Cultura, e das Comunicações.

Gostou da Postagem?

0 comentários:

Postar um comentário