quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Marina defende privatizações de FHC e corte de gastos públicos

E um discurso voltado para os empresários, a ex-senadora Marina Silva (AC), candidata do PSB à Presidência da República, defendeu hoje (25/08) as privatizações do governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), cobrou uma redução dos juros e dos gastos públicos e destacou que estuda a possibilidade de fazer uma constituinte exclusiva para promover reformas estruturantes, como a tributária.

"As privatizações foram acertadas e já estão estabelecidas como um conceito, que não foi revisto pelo presidente Lula", disse Marina. A senadora, no entanto, ressalvou que, apesar dos benefícios, houve falta de transparência no processo de privatização. Marina revelou que o plano de governo do PV ainda está em fase de elaboração e, por isso, não há uma solução em relação a uma possível privatização dos aeroportos. "Não temos um marco regulatório para fazer a parceria público-privada. A mesma discussão se aplica ao caso dos portos", afirmou. Para uma plateia de 350 empresários, a pré-candidata também reiterou o compromisso com a política econômica, sobretudo no controle da inflação por meio de metas. Segundo ela, o controle dos preços não pode ser feito somente com o aumento dos juros porque pode inibir os investimentos da iniciativa privada. "É preciso controlar a inflação por outro mecanismo, como, por exemplo, a redução dos gastos públicos", avaliou a senadora. Sobre a diminuição da carga tributária, Marina ressaltou que estuda a possibilidade de criar uma constituinte exclusiva de seis meses a um ano para promover reformas estruturantes no país.

Marina rechaçou a ideia de que fez um discurso com o objetivo de atrair os votos dos empresários ao defender as reivindicações do setor. Ela observou que apenas se posicionou a favor de um Estado mobilizador, capaz de suprir as necessidades do país naquilo que a iniciativa privada não tiver condições de prover.

Marina disse que vai enxugar a Máquina do Estado, cortandogastos públicos. Traduzindo: isso significa privatizar ou terceirizar tudo o que for possível e demitir o quanto for possível.

Ela já defendeu as privatizações feitas por FHC e assinalou com o corte de gastos. Quem pretende fazer concurso, prepare-se: provavelmente vai ficar anos e anos esperando a oportunidade de uma carreira no setor público.

Fonte: Valor Econômico via Plantão Brasil

Gostou da Postagem?

0 comentários:

Postar um comentário